terça-feira, 1 de julho de 2014

Bairro Freguesia do Ó !!!!

 Freguesia do Ó.
A Freguesia do Ò é um bairro tradicional e antigo da zona norte de São Paulo e tem forte presença religiosa devido a história que lhe é atribuída.
Em 1901, foi inaugurada a nova igreja Matriz, que foi construída em razão de um incêndio que destruiu a antiga igreja, que se localizava no Largo da Matriz Velha.
No Largo da Matriz Nova temos vários bares e alguns restaurantes. Uma das mais antigas pizzarias da cidade se encontra neste local. Alguns bares são realmente muito freqüentados, apresentando um aspecto convidativo, criam uma referência de sociabilidade, renovando o uso de construções históricas.
Atualmente o bairro sofre um aumento do ataque especulativo de empresas construtoras.
Para um bairro em franca ascensão, tanto imobiliária ou em entretenimento, a Freguesia do Ó possui grande chance comercial, fazendo necessário investimento em divulgação de produtos e serviços oferecidos.
A criação de sites para as empresas instaladas na região certamente pode evidenciar o potencial de comércio, atingindo grande número de clientes de uma só vez.
É possível não apenas divulgar sua marca, como também expor seus produtos usando um Catálogo de produtos ou investir na criação de uma loja virtual.
Se seu negócio já possui um website, podemos fazer com que sua empresa apareça dentre as primeiras posições nas pesquisas do Google, e assim, oferecer o diferencial de maior visibilidade para clientes que buscam serviços/produtos pela internet.
Solicite um orçamento e descubra como criar seu site e aumentar os lucros.


Freguesia do Ó é um bairro tradicional da cidade de São Paulo, de classe média e classe média baixa pertencente ao distrito deFreguesia do Ó. A história do bairro e do distrito de mesmo nome confundem-se. Entre os bairros setentrionais de além-Tietê, Freguesia do Ó destaca-se por ser um dos mais antigos. Suas origens remontam diversas propriedades rurais paulistanas. É conhecido por abrigar a sede da escola de samba Rosas de Ouro.






Freguesia vem do latim Filii Eclesiae, e significa "filhos da igreja". Esta honraria foi a única que se manteve no nome oficial dentre os bairros paulistanos, e que foi concedida como uma forma de divisão do Episcopado, facilitando assim a vida dos fiéis moradores de bairos longínquos, que não mais precisariam se deslocar por horas para receberem amparo religioso. Os demais bairros, como o BrásPenha e Santo Amaro, aos poucos deixaram de usá-lo nos nomes, e a Freguesia de Nossa Senhora do Ó passou a ser chamada simplesmente de "Freguesia do Ó".
Nossa Senhora do Ó era a Santa de devoção do Bandeirante Manuel Preto, porém o nome correto é Nossa Senhora da Expectação (ou Esperança). O invocativo Ó, faz parte de sete antífonas cantadas durante a novena, que é realizada todos os anos como preparação para o Natal. O mesmo invocativo tornou-se inspiração para a canção "Punk da Periferia", de Gilberto Gil.




História[editar | editar código-fonte]

O primeiro registro de ocupação das terras do bairro remonta ao bandeirante Manuel Preto na década de 1580, que teria tomado posse do lugar com sua família e índios escravos. Seu primeiro nome Citeo do Jaragoá e suas terras incluíam o Pico do Jaraguá (onde se acreditava haver ouro), além das terras correspondentes aos atuais bairros de PiritubaLimãoCasa Verde e Santana.
Em 1610, Manuel Preto solicitou à sede da paróquia autorização para erguer uma capela em honra de Nossa Senhora do Ó, que deu nome ao lugar. A obra foi finalizada em 1615. Um século e meio depois, em 26 de março de 1796, a região foi elevada a Paróquia de Nossa Senhora do Ó1 .
A cultura da cana-de-açucar foi muito praticada na região, principalmente para a produção de aguardente. Outras culturas de subsistência foram também praticadas, como cafémandiocaalgodãomilho e legumes. Durante muitos anos o bairro foi considerado como pertencente ao chamado "Cinturão Verde" da Capital Paulista.

Um dos casarões do Largo da Matriz de Nossa Senhora do Ó. A fachada é tombado pelo Patrimônio Histórico e abriga um famoso bar da cidade de São Paulo.
O bairro manteve preservadas muitas de suas construções tradicionais [carece de fontes]. Fatores que contribuíaram para isso foram: o relativo afastamento do centro, a topografia íngreme, ruas estreitas e sinuosas e a barreira natural do Rio Tietê. Um exemplo da antiga dificuldade de locomoção envolvendo o bairro é o dos voluntários da pátria que, marchando em direção ao Paraguai, deixaram o centro da cidade em torno das sete horas da manhã e atingiram o Largo da Matriz apenas no final da tarde, por volta das 18 horas.[carece de fontes]





Atualidade[editar | editar código-fonte]

Atualmente o bairro sofre um aumento do ataque especulativo de empresas construtoras. Um dos motivos se deve justamente a presença terrenos descampados e casas velhas simples, de baixo valor comercial, em comparação a outros bairros. Isto se deve em grande parte a retificação pela qual o Rio Tietê passou, durante a administração do prefeito Prestes Maia, além das obras que abriram as avenidas Inajar de Sousa e General Edgard Facó nos anos 80, e nelas, a canalização dos rios Cabuçu e Verde (respectivamente). É considerado um dosbairros com melhor qualidade no fornecimento de água dentro da cidade de São Paulo.
A Freguesia, contudo, ainda carece de áreas de lazer. Ela conta com alguns clubes de malha (CDM), onde jovens praticam esportes, como o futebol, e aposentados jogam malha e bocha, como o CDM Cruzeiro, que fica próximo a avenida Miguel Conejo e com um Grupo Escoteiro.

O altar e o Padre Dalton Caram durante a Festa do Divino Espírito Santo, enfeitado com veludo vermelho, por ser a cor que representa o Espírito Santo.

Cultura geral[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960 a população do bairro passava horas agradáveis no Cine Clipper, o único cinema da região que deu origem ao nome do largo mais conhecido da região comercial da Freguesia, o Largo do Clipper, a praça onde a maioria dos moradores conhecem. O apelido da praça sobrevive até hoje embora o Cinema não exista mais, e muitos nem ao menos saibam o verdadeiro nome do Largo (Oliveira Viana), ou sabiam também da existência deste cinema (especialmente os mais jovens), onde hoje está instalado um Banco.
Ocorre anualmente a Festa do Divino Espírito Santo, uma das mais tradicionais do calendário da Igreja Católica, faz da Freguesia do Ó uma das poucas localidades no Brasil onde ainda é celebrada. Os moradores antigos do bairro tinham muitas relações com [[Pirapora do Bom Jesus]], sendo tradicional a romaria anual a essa vila.


Nenhum comentário:

Postar um comentário